segunda-feira, 11 de maio de 2020

SURUBIM: "Onde é que está essa dinheirama?", questiona prefeita Ana Celia Farias, sobre R$ 7 milhões repassados ao Município para Covid-19

A prefeita de Surubim, Ana Celia Farias(PSB), demonstrou certo nervosismo e irritação ao falar sobre os questionamentos que estaria recebendo sobre o uso dos recursos que está recebendo para prevenir o combater a pandemia do Covid-19 no município.


Durante entrevista ao radialista Alan Lucena, no programa Plantão de Notícias, da rádio Integração FM, a prefeita declarou que o dinheiro que "que tá chegando é para recomposição" e questionou "onde está essa dinheirama?".

"Todos os empenhos da Prefeitura de Surubim 'sai' Covido-19, você acompanha online, nós recebemos, 'tá' no portal do ministério da Saúde, até agora, R$ 859 mil, e recebemos R$$ 2 reais por cada habitante  Eu aqui comprei um respirador por R$ 50 mil, mais dois são R$ 150 mil. Uma folha de R$ 150 mil por mês. Uma Upa que a gente recebe R$ 100 mil, e gasta R$ 550 mil. Onde é que tá essa dinheirama que tão aí na rádio dizer que a gente está com muito dinheiro? Que a gente tem.... eu tenho obrigação e tenho o prazer de dar a cada máscara, a cada pessoa de Surubim..." 

"Além de enfrentar uma pandemia dessa, além irem  dizer que a gente tá com uma dinheirama, porque  esse dinheiro que tá chegando é de recomposição, não estou entregando nenhum carnê de IPTU na casa de um surubinense não, entendeu? não estamos recebendo ISS, nem eu, nenhum prefeito, nenhum governador... então tá lá nossas conta, muito clara... todo mundo sabe, quem vai numa farmácia e compra um remédio sabe o quê é... todos os nossos quatorze coveiros estão preparados para enterrar dentro do padrão, muita roupa daquelas que se usam na Upa são descartáveis, isso é dinheiro.", afirmou.




Recentemente, a prefeitura de Surubim recebeu R$ 882.635,75 (oitocentos e oitenta e dois mil, seiscentos e trinta e cinco reais, e setenta e cinco centavos) do Ministério da Saúde, para realizar ações de combate à pandemia do novo corona vírus. (DOCUMENTO OFICIAL - Valor de Surubim na pág. 94). 

Somados, os dois repasses ultrapassam os R$ 7 milhões.( R$ 7.095.018,86 - sete milhões, noventa e cinco mil, dezoito reais e oitenta e seis centavos). 




SOCORRO - "O Senado aprovou no sábado (2) projeto (PLP 39/2020) de ajuda financeira a estados e municípios relatado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre. 

A proposta prevê o repasse de R$ 50 bilhões da União divididos de acordo com tamanho populacional e das perdas dos impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), e das isenções fiscais relativas à exportação, além de percentuais do Fundo de Participação dos Estados. 

Outra parcela, de R$ 10 bilhões, será destinada a ações de combate à pandemia do novo coronavírus, de acordo com o número de casos da doença e do número de habitantes." 



O valor desta ajuda financeira para Surubim será de R$ 5.899.098,36 (cinco milhões,oitocentos e noventa enove mil, noventa e oito reais e trinta e seis centavos), de acordo com informações da Agência Senado



RETAGUARDA - A prefeitura tem promovido ações para combater o Covid-19. A mais expressiva delas é a abertura de "leitos de retaguarda, na Policlínca Estefânia Farias",voltados para pacientes de Surubim que testarem positivo para o novo corona vírus. 

FOTO: Facebook - Divulgação/Prefeitura de Surubim


"São 23 leitos, sendo três infantis num espaço que vai contar com sala vermelha, além de vários equipamentos como respirador, desfibrilador, camas hospitalares com colchões, aspirador cirúrgico, monitor multiparâmetro, tensiômetro e medicamentos e insumos necessários para funcionamento completo dos leitos, 24 horas por dia" destaca a divulgação na página do Facebook da Prefeitura.

Entres os leitos, não existe nem uma UTI - Unidade de Terapia Intensiva.

A prefeitura não divulgou quanto custou a implantação da estrutura montada na policlína Estefânia. Não se sabe quem são os fornecedores nem os custos dos itens.

FOTO: Facebook - Divulgação/Prefeitura de Surubim


Posta-se ações, porém não se noticia o valor pago. A prefeitura distribui vários itens, mas não divulga quantidades, a quem compra, nem custo. E assim vão sendo com máscaras, álcool, cestas básicas, quites de merenda, serviços de desinfecção de ruas e feira livre... a ação é divulgada, o custo nunca.

Sobretudo em época de pandemia, é preciso encontrar uma forma mais simples e acessível ao cidadão. Mandar procurar no portal da transparência é insuficiente. O preço de tudo, de cada item pago vinculado à pandemia do Covid-19, interessa a todo cidadão porque é pago com o dinheiro do contribuinte.

A Prefeitura pode divulgar o custo total das ações em uma linha de texto. Mais que isso, deveria criar um endereço eletrônico com uma tabela especificando todos os itens, fornecedores, quantidades, valores pagos e quais 'reposições' específicas foram feitas por queda de receita, para ficar transparente "onde está essa dinheirama?", como questiona a prefeita.

Da Redação, com Integração FM, Agência Senado.