domingo, 29 de janeiro de 2017

SURUBIM: Nova Avenida, comunidade carente 'no quintal da Prefeitura', aguarda visita da prefeita e equipe de secretários


Não é nada fácil a vida nas comunidades carentes das cidades do interior. Em Surubim, no Agreste Setentrional pernambucano, pessoas desassistidas padecem pelo descaso do poder público, clamam por condições mínimas de qualidade de vida e sonham com a oportunidade de ter um emprego para garantir o sustento da família com dignidade.

Esta é a síntese da vida de centenas de pessoas simples que moram nos bairros da periferia. Recentemente, a prefeita Ana Célia Cabral (PSB) esteve no Loteamento Baraúnas e comunidades vizinhas, acompanhadas por secretários, para mostrar de perto aos auxiliares, a realidade do quotidiano sofrido vivenciado pelos moradores.

"Com certeza, vou a todas as comunidades de Surubim. Não pretendo governar apenas dentro do gabinete, pois se não estivermos ouvindo e sentindo o sofrimento do povo, com certeza não iremos acertar", afirmou a prefeita à nossa reportagem. 


NOVA AVENIDA - a comunidade da Nova Avenida tem uma característica que a diferencia das demais: a localização. Fica praticamente no quintal da Prefeitura de Surubim, a cerca de 500 metros da sede do Poder Executivo local. Os moradores aguardam ansiosos a visita da prefeita e da equipe de secretários.


A necessidade de melhoria nos serviços públicos fica evidente. Logo em um dos acessos, o lixo se amontoa em uma esquina. Os moradores também sofrem com a falta d'água e destacam que o local carece de investimentos em infraestrutura, com obras de saneamento e calçamento de ruas.

As pessoas frisam ainda que o posto de saúde precisa de funcionar melhor e lembram que a maioria precisa do amparo dos programas sociais do governo, e, sobretudo, de emprego.


O servente João Leandro, enfrenta as dificuldades provocadas pelo desemprego. Sobrevive fazendo bicos e sonha conseguir um emprego para garantir o sustento da família. Ele e a companheira, Laís de Souza, tem uma responsabilidade recém chegada: a pequena Letícia Sofia.

"É difícil demais conseguir emprego, a situação da gente não é nada fácil. Gostaria muito de poder trabalhar como gari, já tentei algumas vezes nos últimos dois anos, mas não consegui. Agora, vou tentar novamente e desse vez espero consegui para a gente dá uma vida melhor para ela", afirma.


A dona de casa Suzane Andrade Silva, 40 anos, diz que o abastecimento d'água dificulta muito a vida dos moradores. "Antes da eleição, chegou água duas vezes na semana. Depois, passa mais de mês para pingar na torneira e tem casa que não chega já há dois meses", reclama.

A vizinha dela, Camila Barbosa, 28 anos, nasceu na Nova Avenida. Acha complicado conviver com o Matadouro Público na localidade. "Deveriam tirar o matadouro daqui, afinal é dentro da cidade. O mau cheiro é terrível, a sujeira que faz, a fumaça, tudo isso prejudica a gente demais", diz.



A moradora Odete Ricardo, ou 'irmã Neta', como é conhecida na comunidade, destaca que as pessoas precisam de oportunidade e que a prioridade da localidade é calçamento. "Aqui é muita gente que precisa de emprego. Gostaria que viessem calçar a rua, pois no papel já foi calçada, mas na prática nada foi feito", lamenta.


Na rua Antônio de Souza Leal, por exemplo, quando chove, fica intransitável. "No dia que chove, as pessoas simplesmente não conseguem passar. Fica impossível atravessar para levar as crianças para escola por aqui, porque a lama e o esgoto invadem tudo", conta a moradora Maria Dolores de Lima, mãe de três filhos.


O funcionário público municipal José Fernandes Barbosa, mora há mais de três décadas na Nova Avenida, lembra que o posto de Saúde que atende a localidade não funciona plenamente. "A verdade é que a gente se sente desprezado. O posto de saúde nem sempre tem médico, e quando tem, falta o remédio. Aí fica difícil, poque aqui o povo é carente mesmo e não pode comprar", afirma.


Também moradora há mais de trinta anos da comunidade, a dona de casa Estelita Cesária ainda cultiva o hábito de varrer a rua na frente da casa. Acha que o lugar pode ser mais limpo e diz que a realidade das pessoas, normalmente, é de dificuldade e sofrimento. "Meu marido mesmo está desempregado. Aqui, é muito sofrimento e muita gente em trabalhar, muita mãe de família que precisa de ajuda, de um Bolsa Família, para dá comida aos filhos, e simplesmente não tem. É difícil", desabafa.

Embora tenha anunciado que vai visitar todas os bairros carentes com a equipe, a prefeita de Surubim, ainda não anunciou quando as outras visitas vão acontecer , nem se vai visitar a comunidade carente mais próxima da Prefeitura. Os 'vizinhos' aguardam ansiosos.






  Da Redação.  

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

SURUBIM: "Há pessoas bem fora do perfil, recebendo Bolsa Família", diz secretária. Mas Município ainda não tem números das irregularidades


A Prefeitura de Surubim ainda não tem um diagnóstico da situação do Cadastro do Programa Bolsa Família no Município. Embora a nova gestão já tenha identificado 'muitos beneficiários fora do perfil recebendo', ainda não há números sobre possíveis irregularidades;

"Estamos fazendo um levantamento, mas ainda não temos dados concretos. A situação do Bolsa Família é um pouco delicada, mas vamos tratar tudo com muita transparência. A população mais vulnerável precisa ser priorizada. É coisa séria, pessoas bem fora do perfil recebendo, inclusive funcionários, outros com cadastros incompletos, por exemplo", afirma a secretária de Assistência Social, Penélope Andrade.

De acordo com a secretária, muitas pessoas omitem informações ao realizarem o Cadastro Único para terem acesso ao programa. "Há pessoas que omitem a existência de membros da família ou quem não informam a renda do marido, por exemplo, para se encaixar no perfil e poder receber o benefício", constata.

A secretária esclarece que os benefícios são pagos às famílias abaixo da linha de pobreza, e cada município recebe uma cota do Ministério do Desenvolvimento Social, que pode ser variar a cada mês, até porque pessoas entram ou saem do programa. "Em Surubim temos mais de 100% da nossa 'cota', ou seja, mais famílias recebendo do que indicam os dados do MDS para famílias pobres", aponta.

Com menos de um mês no cargo, a equipe começou a analisar detalhadamente o cadastro dos beneficiários, mas ainda não tem data prevista para concluir este trabalho. "Estamos em período de pagamento de benefícios, então o volume aumenta consideravelmente. recebemos, periodicamente, uma listagem para averiguação cadastral, do governo Federal, então vamos verificando um a um, mas ainda não temos previsão de quando vamos concluir, porque nossa equipe é reduzida e o atendimento no Bolsa Família não para", completa.


Hoje, Surubim recebe 9.148 benefícios do Bolsa Família, que juntos, injetam quase R$ 2 milhões na economia do Município.

É uma vergonha que, em uma cidade pobre, a exemplo de Surubim, o Bolsa Família, um importante amparo social para pessoas mais carentes, financiado pelo dinheiro de todo cidadão, tenha falhas e deixe de atender, de fato, a quem mais precisa. É inadmissível. Permitir qualquer irregularidade é trair a solidariedade fiscal do cidadão que paga imposto, e fica satisfeito ao ver parte desse dinheiro socorrer quem não tem amparo social do Estado.

Já passou do programa ter uma gestão de fato transparente, com envolvimento direto da sociedade civil organizada, a exemplo das pastorais, igrejas, centros espíritas, OAB e Sindicato dos Trabalhadores Rurais, por exemplo.    

BOA NOTÍCIA - a Secretaria de Assistência Social está ampliando o número de famílias atendidas pelo programa Leite de Todos de 137 para 300. O cadastramento começa na próxima semana. Ainda de acordo com a secretária Penélope Andrade, os detalhes serão divulgados em breve.

Da Redação.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

SURUBIM: Funcionários terceirizados da Saúde, demitidos do Hospital do Coqueiro, cobram salários de dezembro


Funcionários terceirizados da secretaria Municipal de Saúde, recém demitidos, estão mobilizados em busca de receber o pagamento do mês de dezembro e os direitos trabalhistas pela rescisão do contrato de trabalho.

De acordo com um grupo de funcionários, que procurou nossa reportagem, só do hospital do Coqueiro foram dispensados mais de vinte profissionais, a exemplo de enfermeiros, técnicos de enfermagem, recepcionistas e técnicos de raio-X, entre outros.

"Normalmente, a gente recebia o dinheiro do mês, no dia 15 do mês seguinte. Fomos demitidos sem nem aviso prévio, e ainda estamos sem receber dezembro. Não sabemos por qual motivo a secretaria de Saúde não repassou o dinheiro dos nossos salários para que a empresa pudesse nos pagar. É muita gente preocupada, prejudicada, precisando do dinheiro para pagar as contas. A 'Coniape' pediu até o final desse mês para nos dizer como nossas contas trabalhistas serão resolvidas. Mas nesse, momento, nos interessa mesmo é que o Município resolva dezembro, de tão complicada que está nossa situação", contou uma técnica de enfermagem demitida.

A postagem será atualizada com informações sobre as demissões e possíveis pagamentos.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

SURUBIM: Aves silvestres são comercializadas livremente na 'feira do troca'


O comércio de aves silvestres funciona livremente no local conhecido como a 'feira do troca' de Surubim, logo nas primeiras horas da manhã de sábado.

Embora seja o dia da maior feira, bem ampla e diversificada, o comércio dos animais não passa desapercebido.

Ao longe, é possível identificar o espaço específico, pela quantidade de gaiolas expostas à venda.

Por conta da movimentação intensa, o local ganhou até nome próprio, e é conhecido como 'a feira de passarinhos'.

Por lá, não e difícil encontrar pássaros característicos da Caatinga, a exemplo de galos de campina e canários. Alguns espremidos e com sinais de maus tratos.

De acordo com frequentadores, também é possível encontrar, 'dependendo do sábado', azulão, bigode, sabiá, patativa, pintassilgo, entre outros.

Além de provocar o sofrimento nos animais, a comercialização deles causa desequilíbrio ecológico e coloca as espécies em ameaça de extinção.












Da Redação.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Acidente entre dois caminhões de Surubim, ocorrido nas proximidades de Jataúba, provoca duas mortes


Um acidente envolvendo dois caminhões de Surubim, ocorrido na tarde desta quinta feira (19), na rodovia PE 160, entre os municípios de Santa Cruz do Capibaribe e Jataúba, no Agreste, teve duas vítimas fatais.

Um dos caminhoneiros, Jefferson Vinícius Ramos dos Santos, 21 anos, que dirigia o veículo branco, morreu na hora.

A esposa do motorista do outro caminhão, Liliane Santos, idade não informada, foi socorrida para o Hospital de Santa Cruz do Capibaribe, mas faleceu no início da noite.

Os dois caminhões pipa saíram de Surubim para pegar água em Jatúba, e, de acordo com áudio que circula nas mídias sociais, teriam se envolvido no acidente após uma ' manobra de trânsito ' ter dado errado.

Conhecida como ' quebra asa ', ' a brincadeira'1 é feita quando o motorista passa pelo outro, e joga o veículo de maneira brusca; e, ao fazer a ultrapassagem, dá um tranco forte, ao assumir a frente. Mas foi fatal.


Os dois motoristas eram amigos.

Jefferson Vinícius viajava acompanhado do irmão, Manoel José dos Santos Neto, de 12 anos.

De acordo com informações do Hospital de Jataúba, apuradas por nossa reportagem, ele foi socorrido para o hospital de local e transferido para o hospital da Restauração, no Recife, com fratura no fémur e abdômen estendido (inchado), possivelmente por hemorragia interna.

O outro caminhoneiro (veículo amarelo), Leandro Santos da Silva, 24 anos, levado para a unidade, e também foi transferido para o HR, com fratura de fêmur, escoriações, abalamento de crânio e suspeita de TCE - traumatismo craniano encefálico.

O corpo do caminhoneiro foi encaminhado ao IML do Recife. A família está providenciando a liberação do corpo da esposa do segundo caminhoneiro envolvido no acidente. Os sepultamentos devem ocorrer amanhã à tarde, em Surubim.







Fotos: Whatsapp
Da Redação.

'Bancas' de jogo conhecido por 'bozó ou caipira' funcionam livremente, no Centro de Surubim


Um banco de feira, o dono da banca, um 'assistente', um 'taboleiro' com seis bichos, três dados. Está armado o 'bozó' ou o 'caipira', como é chamada a modalidade de 'jogo de aposta', que funciona livremente em Surubim.

Nos dias de feira, o movimento é maior. Os bancos ficam cercados de apostadores.

"São seis bichos: avestruz, águia, burro, borboleta, cachorro e cabra. A gente aposta, casa o dinheiro e pronto, o dono da banca mexe os três dados, 'bate o cambuco', e aí pronto, se arrisca a sorte", resume um apostador.

O 'assistente', nesse tipo de jogo, é conhecida popularmente como 'tapia', ou o encarregado por armar e desarmar a banca, mas também por atrair apostadores, 'fingindo' ser um deles e estar levando a melhor nas rodadas.

"Não sei se os daqui tem. Mas dizem... dizem né?...que o 'tapia', nesse tipo de jogo, é empregado do dono, entendeu? Ele fica com dinheiro na mão, gritando, eita, peguei outra! Ganhei! Aí muita gente que passa vê aquela 'festa' toda aí joga", diz um pequeno comerciante, que observa a banca perto do local de trabalho.

"Eles sabem que esse jogo é ilegal, mas mesmo assim isso funciona aqui, livre. Entre 8h e 9h da manha, no dia de feira, fica cheio. E não sei como é isso aqui não", afirma uma comerciante. 

Outro apostador reconhece que, na maioria das vezes, quem aposta, quase sempre, não leva a melhor.

"A gente joga porque gosta mesmo. Mas quem joga perde mais do que ganha, mas é assim, a vantagem é sempre 'pro' dono da banca", lamenta outro apostador.





Da Redação.

Em João Alfredo, vereadora instala caixa d' água para comunidade. Em Surubim, ex-prefeito retirou caixas d'água quando perdeu reeleição

 

'Atitude é uma pequena coisa, que faz grande diferença', afirmou a escritora Clarice Lispector.

A vereadora de João Alfredo, Leide da Melancia (PSD) é uma mulher de atitude. Foi reeleita com merecidos 839 votos. É reconhecida na cidade como uma mulher batalhadora.

A primeira ação, neste novo mandato, logo no comecinho do mês, foi a instalação de uma caixa d'água, em uma comunidade da zona rural do município.


A instalação, realizada em mutirão com pessoas da localidade, contou com ajuda da vereadora.

'Sou daquele tipo de mulher que não tem medo de trabalho nem de colocar a mão na massa. Tenho essa satisfação, de ajudar pessoas com mais dificuldades', afirma.

O assistencialismo é muitas vezes é a única alternativa para que a política pública chegue a quem de fato precisa.

Só quem não tem acesso a um pingo d'água em casa, fornecido pelo poder público, nos lugares mais distantes da zona rural dos municípios do Nordeste, é que deve saber a importância de se ter um reservatório com água potável para atender às famílias da comunidade.

BASE : vereadora Leide da Melancia, com a filha, Iza Moura, e com a prefeita de João Alfredo, Maria Sebastiana. 
A atitude da vereadora mereceu o reconhecimento, nas mídias sociais.

PrVânio Costa Junior Agora sei, para todas as regras, há exceções...POLÍTICOS e políticos, teremos sempre...Leide da Melancia... Feliz Ano Novo!
Neny Barbosa Mal começou Janeiro, e ta com a mão na massa. Fazendo um bem pra comunidade. Parabéns Leide da Melancia. Continue assim, fazendo um bom trabalho.
Lenilson Dinho Aí sim 👏👏👏👏
Dianna Santos Essa mulher e uma GUERREIRA

O OUTRO LADO ( TRISTE ) DA POLÍTICA - Em Surubim, as comunidades do bairro São José, Loteamentos Marista Pio XII, Maracajá e Baraúnas, Vila do Padre, além de Lagoa Nova, receberam caixas d' água, compradas com recursos do Município, para reforço no abastecimento durante o período da grave seca, que ainda afeta o Nordeste.


A ação foi divulgada pela Prefeitura como 'um trabalho' do prefeito, que disputava reeleição. Entretanto, mesmo tendo pago a conta, boa parte dessas comunidades, ficou sem a caixa d´água.

No estilo 'a mão que afaga é a mesma que apedreja', logo após o pleito municipal de outubro, o ainda prefeito Tulio (da caixa d'água) Vieira (PT), mandou recolher os reservatórios, porque perdeu a disputa.


Evidentemente, o 'feito' não repercutiu bem para o agora ex-prefeito, que para muitos manchou o mandato com uma atitude que apequena a carreira política de qualquer gestor público.

Da Redação.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Trânsito de Surubim vai receber ações do Detran/PE. Educação com foco em motociclistas será prioridade


O diretor presidente do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco – Detran/PE, Charles Ribeiro, recebeu hoje (16), em seu gabinete, o coronel José Lopez, ex-comandante da Polícia Militar de Pernambuco, convidado pela prefeita de Surubim, no Agreste, Ana Célia Cabral, para assumir a Secretaria Municipal de Defesa Social - SDS.

No encontro, Lopes solicitou a continuidade do Convênio de Cooperação Técnica entre aquele município e o Órgão de Trânsito de Pernambuco, e que seja levado à Surubim ações de educação para o trânsito com foco em motocicletas. Segundo ele, a frota de veículos daquele município é de 23.651, sendo que 9.279 são motocicletas.

Segundo Ribeiro, não respeitar as leis de trânsito pode provocar a ocorrência de acidentes. Com objetivo de conscientizar, o Governador Paulo Câmara determinou que o Detran-PE invista na educação do trânsito, chamando a atenção para a necessidade do respeito a faixa de pedestres, uso do cinto de segurança, não falar no celular, não dirigir alcoolizado, utilizar cadeirinha para crianças no carro. 

A educação no trânsito não se limita apenas a ensinar regras de circulação, mas também deve contribuir para formar cidadãos responsáveis, comprometidos com a preservação da vida.

Participaram da reunião o Gerente de Proteção Participativa ao Cidadão da Secretaria Estadual de Defesa Social, Ary Siqueira, e o Coordenador de Articulação Municipal do Detran-PE, Lázaro Medeiros.






 





Fotos do trânsito de Surubim : Alberico Cassiano
Fonte: Assessoria de Imprensa / Detran PE.