segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Professores fazem protesto na prefeitura de Surubim e cobram rateio do Fundeb, aumento do piso e kits merenda dos alunos


Os professores da rede Municipal de Surubim fizeram um protesto em frente ao prédio da prefeitura, nesta segunda-feira (14). A categoria cobra uma série de reinvindicações a exemplo de reajuste do piso salarial, pagamento do rateio dos recursos do Funbeb e distribuição de kits merenda e escolar para os alunos. Uma comissão foi recebida na secretaria de Educação, mas parte dos professores do Sindicato foi barrada.

"'Os cães de guarda da prefeita' proibiram nossa entrada no prédio da prefeitura. O prédio é público e não se pode proibir a entrada de ninguém. Isso jamais visto isso em Surubim. Fomos impedidos de entrar eu, a professora Maria José Lira e professor João Paulo, mas fomos impedidos. Os demais da comissão sindical foram recebidos, ficamos aguardando, mas não houve negociação, é só enrolação", disse a professora Velúzia Soares, que atua no sindicato há nove anos.

A comissão foi recebida pela secretária de Educação, Alcimery Cabral. De acordo com a professora, a reunião não trouxe avanços. Os professores não aceitam a alegação da prefeitura que todo dinheiro do Fundeb foi gasto. Eles cobram total clareza de como os valores aplicados, argumentam que as despesas de custeio da educação municipal caíram e que a estrutura física das escolas estão precárias, sem qualquer investimento em reformas. 


"Disseram mais uma vez que o dinheiro do Fundeb não ratearam com os professores porque não houve sobra. Como não houve sobra? Esse a ano foram R$ 36 milhões que chegaram na prefeitura. E não gastaram com transporte escolar, não gastaram com merenda escolar, não pagaram difícil acesso aos professores, porque eles estavam trabalhando remotamente... só teve praticamente três meses de aula, como não teve sobras. As cidades vizinhas todas tiveram sobras e pagaram, e só Surubim não houve? As escolas estão entregues, sem estrutura nenhuma. Na minha, tem uma cratera. E cadê o dinheiro ? Não foi colocado um real nem de Fundeb, nem de precatório... E a gente sabe que o dinheiro está lá, que a prefeitura tem dinheiro, que tem dinheiro para o professor, mas infelizmente, nós somos assaltados pela prefeitura, é a realidade", afirma. 

 
Na fala aos colegas, professora Velúzia parabenizou o deputado surubinense Danilo Cabral (PSB) pela defesa da Educação, no campo federal. Porém, disse achar estranho o socialista não se posicionar a favor dos professores de Surubim. 

"Me causa estranheza a contradição do deputado federal Danilo Cabral, parente da prefeita, porque, a nível nacional, é admirável a defesa dele com a categoria. Mas a nível municipal ele não se posiciona. A categoria vem sendo massacrada desde o início da gestão Ana Célia. Então eu peço ao deputado e pré-candidato a governador, que ele venha aqui em Surubim, para escutar a categoria, para dialogar com os professores. Ele é filho da terra, primo da prefeita precisa mostrar o compromisso com a Educação lutando pelos professores de casa", sugere a professora.

VÍDEO 2


LEIA TAMBÉM:




A pauta de reinvindicações dos professores da rede Municipal de Surubim inclui os seguintes itens:

* Garantia do kit escolar e kit merenda para os alunos;
* Reforma, ampliação e melhoria da infraestrutura das escolas com o dinheiro dos precatórios ;
* Garantia dos protocolos sanitários contra a Covid-19;
* Pagamento do rateio dos Fundeb;
* Reajuste do piso salarial;
* Reformulação da lei do difícil acesso;
* Bônus tecnológico para os professores com as sobras do Fundeb 70.



O sindicato diz ainda que já solicitou a Folha de Pagamento e um extrato detalhados dos gastos do Fundeb, mas não foram atendidos pela Prefeitura. O Sindicato afirma também que acionou o Ministério Público para buscar ajuda e aguarda respostas. 


No final do dia, o sindicato dos professores divulgou nota oficial. Confira o texto:

"Hoje tivemos o primeiro ato público com uma parada de advertência para declarar o nosso estado de greve. Sobre as pautas reivindicadas/apresentadas hoje pela categoria dos professores municipais, a resolução foi a seguinte:

Piso nacional: em dezembro, com o sindicato, a secretária de administração garantiu que pagaria em janeiro; em janeiro, em reunião com a comissão de precatórios, ela disse que já estava td certo pra pagar em janeiro, mas que por conta do MEC não era certeza pagar. Hj a secretária de Educação, o de controle interno e Claudionor disseram que ainda estão fazendo cálculos hoje estão em consulta com contadores em Recife. 

Quarta-feira teremos uma resposta a respeito da possível implementação do piso. No entanto, todos sabem que o piso é lei e não há motivo para não realizar o pagamento, inclusive, o dinheiro chegou para a prefeitura (extrato pode ser visto pelo site do Banco do Brasil).

Rateio do Fundeb 2021: ultrapassou os 70% mínimos de gasto com pagamento de pessoal, mas estamos esperando um detalhamento melhor de onde e como foi gasto esse valor, visto que as aulas estavam remotas e entende-se que houveram economias em alguns aspectos (água, luz, manutenção).

Lei do difícil acesso: precisa ser reformulado a lei para que todos tenham direito. Então iremos marcar reunião para organizar isso com a comissão do sindicato. Em seguida, repassamos a categoria para votação, pois há um diálogo a respeito. O que for aprovado, encaminhamos para a gestão como sugestão.

Kit escolar: houve atraso do fornecedor em 3 itens, foram entregues hoje. Os livros já estão na escola e serão distribuídos nos próximos dias

Biossegurança nas escolas: o informado é que as escolas tem álcool em gel e líquido, termômetro, totens, dispensers de biossegurança. Há reabastecimento constante e contínuo. Os protocolos adotados serão os que estão em vigência pelo estado.

Reforma e ampliação com dinheiro dos 40% dos precatórios: não foi utilizado ainda devido a burocracia das lícitacoes, mas os projetos estão prontos para utilizar o dinheiro. Não temos conhecimento destes projetos ainda.

Então, o desenrolar do estado de greve depende unicamente das decisões da gestão municipal. Caso as pautas não tenham andamento, a categoria de professores irá se reunir em assembleia para decidir os próximos passos."


A reportagem assegura espaço para as assessorias de Imprensa da prefeitura de Surubim e do deputado federal Danilo Cabral. Em caso de envio de notas, a postagem será atualizada.

Fotos: Divulgação 
Da Redação.