quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Lula é o enigma de 2022

Por Adriano Oliveira – Doutor em Ciência Política. Professor da UFPE.

Antes da popular intenção de voto, analiso a conjuntura. Neste caso, decifro em qual ambiente a eleição será disputada e quais os desejos do eleitor. Não existe previsão para robusto crescimento econômico em 2022. A estagflação poderá estar presente. Inflação e juros altos são certezas. Os combustíveis tendem a manter a variação positiva. E o desemprego aumentará ou ficará estável. Sabendo que a informalidade, inclusive, com trabalhos extremamente precarizados, já é alta.

Olhando para o ambiente econômico de 2022, não tenho dificuldade em afirmar que o ex-presidente Lula é favorito para vencer a eleição. Inclusive, no 1° turno. Em virtude da era Lula, a vindoura disputa está imersa em ambiente perfeito para o sucesso do ex-presidente. Por outro lado, é ambiente pouco adequado para a reeleição de Jair Bolsonaro. E ambiente razoável para o candidato do centro. Neste aspecto, em razão da alta da inflação, o PSDB tem condições de resgatar o Plano Real. E com isto, angariar votos.

Porém, não desprezo a lembrança do eleitorado para com as cenas Lava Jato no período de 2015 a 2018. A emblemática operação de combate à corrupção reforçou e aumentou o antipetismo. Teve impacto também na imagem do ex-presidente Lula. Embora, o lulismo seja ´maior do que o PT eleitoralmente. E mais apto para receber o perdão de parcela dos votantes. Pesquisas qualitativas mostram que vários eleitores não perdoam o PT, mas não condenam Lula.

Será estratégia ótima para os candidatos da oposição, incluso o atual presidente da República, relembrar as ações da Lava Jato. As condições coercitivas, a prisão do Lula, as manchetes dos jornais associando desvio de recursos públicos a era PT. Qual será o impacto da estratégia “Lava Jato” no eleitorado? Considero o desempenho eleitoral de Lula em 2022 como um enigma. Embora, seja remota a não presença do candidato do PT no 2° turno da disputa.

Tenho duas hipóteses. A estratégia “Lava Jato” aumentará a rejeição de Lula e do PT. Com isto, as chances de novo sucesso eleitoral do ex-presidente diminuem. A outra hipótese é de que o Lula será vitimizado, já que a estratégia do PT mostrará a imparcialidade de Sérgio Moro, os dias injustos do ex-presidente na prisão, e o esplendor econômico da era Lula. Qual hipótese será confirmada após a abertura das urnas? Lembro que no auge da Lava Jato e com o líder do PT preso, Fernando Haddad foi ao turno final contra Jair Bolsonaro.