quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Advogado e romancista José Paulo Cavalcanti é novo imortal da Academia Brasileira de Letras


A Academia Brasileira de Letras elegeu, nesta quinta-feira (25), o pernambucano José Paulo Cavalcanti como imortal da ABL. Em sessão híbrida no Petit Trianon, o ele ocupará a Cadeira 39 do Quadro de Membros Efetivos. A vaga, aliás, pertencia ao Acadêmico e vice-presidente Marco Maciel, falecido em 12 de junho de 2021. José Paulo Cavalcanti recebeu 21 votos dos 34 votos possíveis.

“José Paulo Cavalcanti é um renomado estudioso de Fernando Pessoa, tão íntimo e intenso, como se fosse parente espiritual do poeta. Ensaísta e pesquisador refinado, a biografia que ele redigiu sobre Pessoa circula nos quatro cantos da Terra. José Paulo entra para a ABL com o passaporte da literatura”, declarou o Presidente da ABL, Acadêmico Marco Lucchesi.

José Paulo Cavalcanti Filho nasceu no Recife no dia 21 de maio de 1948. É advogado formado pela Faculdade de Direito do Recife. Foi secretário-geral do Ministério da Justiça e Ministro (interino) da Justiça no governo do ex-presidente José Sarney e também Presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), da EBN (depois Empresa Brasil de Comunicação- EBC), e do Conselho de Comunicação Social (órgão do Congresso Nacional). Além disso, atuou como consultor da Unesco e do Banco Mundial.

Atualmente, ele ocupa a cadeira 27 da Academia Pernambucana de Letras. Também é membro da Ordem dos Advogados do Brasil, Diretor do Escritório de Advocacia José Paulo Cavalcanti, do Instituto dos Advogados de Pernambuco, e do Instituto dos Advogados Brasileiros. É consultor da Secretaria da Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, da Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco e do Congresso Nacional.

José Paulo Cavalcanti ainda é romancista e possui mais de 18 títulos escritos, alguns já publicados no exterior. Além disso, ele se destaca por seu profundo conhecimento da obra do escritor português Fernando Pessoa. Em 2012, aliás, José Paulo conquistou o prêmio José Ermírio de Moraes, pelo livro “Fernando Pessoa – uma quase autobiografia”. Também conquistou o primeiro lugar na Bienal do Livro e no Prêmio Jabuti, além de diversas outras premiações.

Do Blog de Roberta Jungmann.