segunda-feira, 23 de agosto de 2021

Meirelles classifica decisão entre Lula e Bolsonaro como “escolha de Sofia”


O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), afirma que ainda há possibilidade de construir uma candidatura viável de 3ª via para as eleições de 2022 para o Planalto. Segundo ele, “o Brasil não está condenado a uma ‘escolha de Sofia’“, em referência ao cenário atual, em que a população pode ter que escolher entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Lula (PT).

Em entrevista ao Valor, Meirelles disse não ver evidências de que Lula se beneficiaria de uma perda de popularidade de Bolsonaro. Quando os eleitores se derem conta de que Bolsonaro não é capaz de derrotar Lula no 2º turno, pode haver uma migração de intenções de voto para outro candidato. Meirelles aponta o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), como um nome capaz de aproveitar esse movimento.

A maior parte da população não é radical de direita nem radical de esquerda. E existe, na minha visão, amplas possibilidades de uma 3ª via no Brasil. Então, essa polarização não é necessariamente algo que vá permanecer até a data da eleição. Eu acredito que existe uma possibilidade concreta de uma 3ª via que tenha dado exemplos de competência“, falou.

Para o economista, Bolsonaro se afasta do empresariado à medida que faz declarações radicais e ataca instituições. “No 1º momento, os agentes econômicos olharam para isso e disseram: é discurso para a base radical. Na medida em que o discurso continua, isso começa a afetar.

Sobre a situação fiscal em que o país se encontra, agravada com a flexibilização do teto de gastos e parcelamento dos precatórios, Meirelles classificou a decisão como um “calote técnico” com amparo jurídico.

Existe uma discussão que começa a preocupar a todos sobre a questão da flexibilização do teto de gastos o que seria, na prática, lido corretamente pelos agentes econômicos como um abandono do teto. E uma 2ª questão são as manobras que visam, de um lado, preservar credibilidade mantendo o teto, mas que têm outras consequências. Por exemplo, a questão do parcelamento dos precatórios” avaliou.

Segundo ele, “as despesas que constam dos precatórios são despesas primárias e têm que estar dentro do teto“. “Tecnicamente, no momento em que você parcela os precatórios, você está formalmente cumprindo o teto. No entanto, o fato é que isso afeta a credibilidade fiscal, na medida em que é uma dívida líquida externa do governo federal, que não é cumprida. Mesmo tendo uma base legal, isso constitui um calote técnico, independentemente do arcabouço jurídico do qual possa estar revestido. Tudo isso começa a preocupar os mercados.

O político ainda citou que a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi deposta ao ampliar gastos, que acentuaram a crise fiscal. Ele se disse contra a qualquer manobrar para contornas gastos. “Eu acho que o teto existe para ser cumprido“, opinou.

O nome de Meirelles chegou a ser mencionado como possível vice na chapa de Lula. Sobre esse tema, o político afirma não ter recebido um convite formal, portanto “essa situação não existe, eu não trabalho por hipóteses“.

O ex-ministro contou que está estudando a sua saída da Secretaria de Economia do governo de São Paulo no ano que vem para concorrer a uma vaga no Senado por Goiás.

ESCOLHA DE SOFIA: A expressão “escolha de Sofia” é usada para se referir a uma decisão difícil, que, seja qual for a escolha, acarretará em um grande sacrifício. Trata-se de uma referência ao filme homônimo, de 1982. Sofia é judia e está no campo de concentração de Auschwitz. Ela teve que escolher entre salvar um dos 2 filhos ou deixar ambos morrerem.

Do Poder 360.