terça-feira, 13 de abril de 2021

Indicado para a CPI da Covid, Humberto Costa diz que comissão vai buscar responsáveis pela tragédia brasileira


Ex-ministro da Saúde, o senador Humberto Costa (PT-PE) foi indicado pelo bloco PT/Pros como titular da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada no Senado para investigar a tragédia da pandemia de Covid-19 no Brasil. O colegiado, que teve o requerimento lido na noite desta terça-feira (13), após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), contará com 11 membros efetivos e sete suplentes.

Com medo da CPI, o presidente Jair Bolsonaro atacou o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que determinou a instalação da comissão, e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que a propôs. Juntamente com seus aliados no Senado, Bolsonaro tentou, ainda, viabilizar um segundo colegiado para ampliar a investigação a governadores e prefeitos.

A manobra foi vista como uma tentativa de conturbar o ambiente e prejudicar os trabalhos. No final, a presidência do Senado decidiu pela instalação de uma só comissão, com a juntada da proposta da outra, limitando a atuação à investigação de recursos federais, sem, no entanto, invadir as competências de estados e municípios.

Para Humberto, há um claro temor do Planalto em relação aos trabalhos da CPI. "Bolsonaro agiu deliberadamente para asfixiar a comissão, para inviabilizá-la, para criar o caos. Não conseguiu. Foi derrotado. E, agora, vamos dar início aos trabalhos da comissão para buscar os responsáveis por uma tragédia que já levou a vida de mais de 355 mil brasileiros em pouco mais de um ano", afirmou o senador.

Presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado, Humberto afirma que o governo Bolsonaro vai ter de responder por que agiu diretamente para impedir o isolamento social, para vender remédios "milagrosos" contra uma doença para a qual não há tratamento preventivo e por que se recusou, reiteradas vezes, a comprar vacinas, o que levou o Brasil a responder, atualmente, por um quarto das mortes por Covid-19 em todo o mundo.

Fonte: Assessoria de Imprensa.