terça-feira, 2 de março de 2021

Poluição do Rio Siriji preocupa população de São Vicente Férrer

Degradação do rio se agrava e chama atenção do poder público e da população para a necessidade de preservação 

Com nascente localizada em Jussaral, na Fazenda Condado, no município de São Vicente Férrer, no Agreste de Pernambuco, o Rio Siriji tem extensão de 74 km e também percorre os municípios de Vicência, Aliança e Condado. Infelizmente, um dos rios mais conhecidos do interior, se encontra em estado crítico, situação que é realidade, desde os tempos dos grandes engenhos de cana-de-açúcar, quando a produção açucareira despejava os seus dejetos no rio, ocasionando a extinção de várias espécies de peixes da região. 

Durante os últimos anos, o Rio Siriji continuou sendo degradado por causa da ação humana e isso, prejudicou, além da fauna e flora local, o consumo de peixes, especialmente por parte dos habitantes do povoado que integra o Vale do Rio Siriji.

De acordo com o historiador Uenes Gomes, Mestre em Educação pela Universidade de Pernambuco (UPE), “o rio Siriji continua sendo adoecido, cotidianamente, com os despejos de dejetos fecais nas suas margens e com o descarte irregular e a construção nas margens do Siriji que dificulta todo e qualquer processo de recuperação da mata ciliar e do próprio rio, para a população voltar a usá-lo”, explicou.

Uenes ressalta que a população comete o descarte irregular do lixo doméstico no Rio Siriji. “É preciso que haja um diálogo constante entre população local, poder público e educação, para que possamos, de forma contínua e horizontalizada, fazer um plano de educação ambiental e sensibilizar a população. Dessa forma, teremos de novo o Rio Siriji que a gente conhecia quando era criança”, lembrou.

Joseilton Medeiros, 58 anos, morador há mais de 40 anos, no Vale do Siriji, lembra-se de quando a população ainda consumia a água do rio. “Ao amanhecer íamos ao rio para retirar a água para o nosso consumo. Com o tempo, começou a ficar sem saneamento, aparecendo fezes, e hoje está assim, nesta situação de degradação. Não vemos a água do rio sendo tratada, precisa-se de um tratamento rigoroso, pois a água nunca está limpa”, comentou.     

O morador José Belo, 50 anos, conseguia seu sustento através das retiradas das areias do Rio Siriji, mas hoje não pode realizar esse trabalho por causa da degradação do rio. “Passei muitos anos conseguindo o sustento da minha família, através desse trabalho. Parei de retirar a areia do rio, a partir das construções das barragens. Sinto saudades de realizar esse trabalho. Se a situação do rio melhorasse, voltaria”, revelou.

A nascente do Rio Siriji vem, a cada dia, sendo degradada. E isso, pode afetar o nível de chuva na região, como explica o extensionista do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), do Munícipio de São Vicente Férrer, Luís Filho. “A degradação, principalmente, por causa dos desmatamentos dos mananciais, contribui para que haja uma menor afluência dos dois rios: o Siriji e o Capibaribe Mirim", explicou. Infelizmente, a população que vive em torno do rio pode ser afetada com a esquistossomose, doença causada pela infecção por vermes parasitas de água doce. 

Segundo Alberto Aguiar, gerente de Vigilância em Saúde de São Vicente Férrer, entre os anos de 2017 e 2020, foram ofertadas a 7.235 pessoas a opção de exames coproscópicos de forma gratuita. “Tivemos adesão de cerca de 4.396 habitantes, o que corresponde a 60,76% do total ofertado. Infelizmente, cerca de 2800 cidadãos, o equivalente 39,24% que foi procurado nesse período histórico, se abstiveram de realizar o exame. Dessa forma, o trabalho fica prejudicado, pois perde-se a oportunidade de se fazer um mapeamento amplo, que demonstre a real situação do município. Isso, sem dúvidas, contribuiria no delineamento epidemiológico da doença, contribuindo com o delineamento de políticas de saúde no âmbito municipal, voltadas à população que se encontra mais suscetíveis ao risco de contrair tal agravo”, ressaltou.

Formado em História e Geografia, respectivamente, pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e pela Faculdade de Filosofia de Pernambuco (FAFIPE), o pesquisador Jessé Alves relata que o Rio Siriji chegou a secar por causa da retirada descontrolada da água feita pelos fazendeiros locais. Hoje, o historiador faz um apelo à preservação ambiental. “Na época dos engenhos, a degradação era mínima, mas a vinda dos defensivos agrícolas e a descida dos adubos das serras para dentro do rio prejudicaram o meio-ambiente. Precisamos que o poder público olhe para a situação do Rio Siriji e trace um plano de recuperação”, comentou.

Com toda essa degradação, os órgãos têm voltado os olhos para a situação do rio, como explica o historiador Uenes Gomes. “Recentemente a nova gestão do município de São Vicente Férrer apresenta uma preocupação em ter um diálogo com a população local sobre a situação do Rio Siriji. Acredito que será um diálogo positivo e resolutivo para resolver a degradação que tanto prejudica o meio-ambiente”, ressaltou. 

O atual prefeito de São Vicente Férrer, Marcone Santos (PP), explica que existe há anos um projeto de uma rede de esgoto para o Rio Siriji junto com a Companhia Pernambucana de Saneamento (COMPESA). “Não foi dado andamento a execução desse projeto na COMPESA. Nossa gestão cobrará junto a instituição a realização desse trabalho. Temos o desejo de desengavetar esse projeto da Compesa que trará realmente benefícios não só para o meio-ambiente, como também para a população local.”, disse. 

O prefeito ainda ressaltou que a gestão está desenvolvendo um plano de ação para a recuperação do Rio Siriji. “Através da Secretaria de Infraestrutura, vamos iniciar a limpeza do rio, no início de março. Vamos tirar o máximo de entulhos que tiver. E peço a participação da população para mantermos o Rio Siriji limpo. Iremos também elaborar um projeto de conscientização para a população sobre preservação ambiental”, finalizou. 


Em homenagem ao Rio Siriji, o poeta repentista Edvaldo Zuzu, neto de São Vicente Férrer, escreveu o seguinte poema:

Siriji tinha água de primeira 
Para o gasto e também para beber 
Com tempo pegou aparecer 
No seu curso a indústria açucareira 
Pecuária, café e bananeira. 
Derrubada da Mata ciliar 
Hoje o rio começa agonizar 
Com a sua beleza se acabando 
Nosso rio siriji agonizando 
É urgente um trabalho pra salvar. 
 
Tanta coisa em seu curso natural 
Que serviu pra riqueza do estado. 
Seu começo na fazenda condado 
A nascente na Serra Jussaral.
Mas agora rio está tão mal 
Que é preciso os políticos do lugar 
Convocar o seu povo e trabalhar 
Pra salvar o que ainda está testando 
Nosso rio Siriji agonizando 
É urgente um trabalho pra salvar. 
 
O primeiro é usar a consciência 
Pra saber que é nosso e é daqui 
E fazer São José de Siriji 
Defender com amor e resistência 
São Vicente, Aliança e Vicência 
Em Goiânia onde pega desaguar 
Um trabalho pra revitalizar 
Sem dejetos das ruas lhe estragando 
Nosso rio Siriji agonizando 
É urgente um trabalho pra salvar. 

poema de “Edvaldo Zuzu”.


Fotos: Luís Correa

Fonte: Assessoria de Comunicação.