terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Empresa acusada de superfaturar contratos não pode participar da privatização dos Correios, afirma Humberto em representações ao MP

O senador Humberto Costa (PT-PE) levou ao Ministério Público de Contas e à Procuradoria-Geral da República representações pedindo investigação sobre a privatização dos Correios. O governo entregou a responsabilidade de elaborar o plano de venda à empresa Accenture, suspeita de superfaturar contratos com a própria estatal.

Segundo cálculos de auditoria interna dos Correios, o prejuízo provocado pela fraude chegou a cerca de R$ 90 milhões, em contrato do ano de 2017. Mesmo assim, a Accenture passou a integrar o consórcio escolhido pelo BNDES para entregar a estatal à iniciativa privada.

"Nós estamos diante de um caso gravíssimo. Uma empresa acusada de dilapidar o patrimônio dos Correios foi colocada pelo governo para operar a privatização da estatal que ela mesma teria fraudado. Isso é algo escandaloso. Nós recorremos ao Ministério Público para que esse processo seja interrompido até que todas as condições sejam apuradas", explicou o senador.

As representações alegam que o processo afronta a Constituição e fere os princípios que regem a administração pública. Elas foram entregues ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, aos quais caberá avaliar se abrirão investigação para apurar o caso. 


Da Assessoria de Imprensa.