terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Bienal do Livro traz programação inédita para homenagear Clarice Lispector


Uma programação exclusiva e gratuita para comemorar o centenário de Clarice Lispector foi preparada pela Bienal Internacional do Livro de Pernambuco para esta quarta e quinta (9 e 10 de dezembro) sempre a partir das 18h. Serão palestras transmitidas ao vivo pela plataforma digital e-Bienal voltadas à vida e à obra da escritora ucraniana que passou a infância no Recife e fez da capital pernambucana cenário de algumas de suas maiores obras, como Felicidade Clandestina. Os dias escolhidos para a realização do projeto também foram estratégicos: o dia 9 marca o falecimento da homenageada. O dia 10, seu nascimento.

A programação, que faz parte da Semana do Livro de Pernambuco, é intitulada “Clarice Viva” e reunirá um time de escritores, pensadores, profissionais da cadeia do livro e da literatura para uma celebração à arte de Clarice Lispector.


Entre os nomes confirmados na programação, o do escritor e historiador estadunidense Benjamin Moser, conhecido internacionalmente por sua biografia de Clarice Lispector, obra que lhe rendeu, inclusive, o Prêmio Itamaraty de Diplomacia Cultural, em 2016, pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil; o da arquiteta pernambucana Amélia Reynaldo, que trará um apanhado da história do centro do Recife sob a luz das obras de Clarice; o de Eliane Robert Moraes, professora da Universidade de São Paulo (USP) que falará sobre o interesse da autora pelas formas de vida reduzidas à essência, e Marilene Felinto, jornalista e escritora, falando sobre suas leituras da obra de Clarice Lispector e da evocação que ela faz da infância no Recife.

Realizado e produzido pela Vox Produções, Ideação e Cia de Eventos, a Semana do Livro tem curadoria assinada por Schneider Carpeggiani, jornalista e crítico literário, com larga experiência no setor. “A ideia dessa série de lives é tanto aproximar o Recife de Clarice Lispector, como trazer nuances pouco faladas de sua obra. Em um ano em que Clarice vai estar, com toda justiça, no centro do debate, nosso esforço é, justamente, buscar o inusitado. Esperamos que a programação traga perspectivas novas, ou, ao menos, pouco discutidas sobre sua obra. Que agrade aos iniciados e consiga atrair iniciantes para sua literatura”, explica Schneider. 

Assim, a programação, que busca debater, com leveza e interatividade, a obra de Clarice Lispector nos contextos literário, filosófico e histórico, começa com o "Primeiro beijo" e segue até “A paixão segundo GH”, obra-prima da autora, escrita em 1964, ano do Golpe. “Não iremos esquecer da política que aparece no seu trabalho", completa o curador.

Além de tudo isso, há ainda a preocupação em promover uma troca direta entre escritores e o público, incentivando à leitura e a valorização da produção literária local e nacional. “A II Semana do Livro está sendo idealizada para servir como um verdadeiro encontro cultural. Nesta edição virtual acreditamos que vamos atingir um público ainda maior, já que vamos estar nas redes e a obra de Clarice é reconhecida internacionalmente”, explica Guilherme Robalinho, da Vox Produções. Outro ponto a destacar é a parceria entre a produção e a Secretaria de Educação do Recife, já que a programação vai servir como projeto de formação para professores da rede municipal.   

A participação do público na Semana do Livro é gratuita e o projeto oferece acessibilidade com intérprete de libras durante as lives. Os interessados devem acessar o site da Bienal Internacional do Livro para acompanhar o evento: www.bienalpernambuco.com/semanadolivro


Programação 

09 de dezembro 

Às 18h

Live: O primeiro beijo e outras histórias, com Benjamin Moser

Sobre: Na palestra, o biógrafo de Clarice Lispector, o norte-americano e ganhador do Prêmio Pulitzer 2020 Benjamin Moser, fala como conheceu a obra da autora e da travessia até a escrita da biografia “Clarice”.

Às 20h

Live: A potência do mínimo, segundo Clarice Lispector, com Eliane Robert

Sobre: “Tudo o que é vivo se contrai” – diz Clarice Lispector em A descoberta do mundo, como que resumindo a razão de seu interesse pelas formas de vida reduzidas à sua essência. Do ovo à água viva, da baba ao ectoplasma, de uma tartaruga arfando a uma barata moribunda, toda sorte de “matéria vivente” que seja ínfima, insignificante ou mesmo informe atrai a sua atenção. A palestra da crítica literária Eliane Robert Moraes (USP) procura interrogar esse procedimento em obras da autora e as figuras que dela decorrem.

10 de dezembro

Às 18h

Live: A cidade sitiada, com Amélia Reynaldo

Sobre: A cidade do Recife abrigou os anos de formação de Clarice Lispector e aparece como cenário de alguns dos seus principais contos, como Felicidade clandestina. A arquiteta Amélia Reynaldo (Unicap) faz um apanhado da história do centro do Recife à luz da obra da autora. E nos faz pensar em como uma cidade é também construída pela narrativa dos seus escritores.

Às 20h

Live: "Um mundo todo vivo tem a força de um Inferno", com Marilene Felinto

Sobre: A escritora pernambucana Marilene Felinto fala de suas leituras da obra de Clarice Lispector e da evocação que ela faz da infância no Recife. E retoma ainda alguns dos temas do romance A paixão segundo GH, sobretudo a forma como as empregadas domésticas são tratadas nas obras de Lispector.


Da Verbo Assessoria de Imprensa.