domingo, 29 de novembro de 2020

Recife, esquerda volver

A exemplo do primeira eleição deste século, a eleição de hoje para Prefeitura do Recife poderá ser decidida no voto a voto.

De acordo com as últimas pesquisas de intenção, os primos candidatos Marília Arraes(PT) e João Campos(PSB) chegam empatados neste segundo turno. 

No Recife, tendência é dar João Campos, do PSB", diz Mírian Leitão, em O Globo.

Em 2000, João Paulo(PT), ganhou por menos de 1% de diferença do prefeito Roberto Magalhães(PFL - hoje, Dem). A matéria da Folha de São Paulo destacou:

"O segundo turno em Recife decidiu-se no olho mecânico. O deputado estadual João Paulo (PT), 47, derrotou o adversário, Roberto Magalhães (PFL), 67, na disputa pela prefeitura da cidade. Com todas as urnas apuradas, João Paulo teve 50,38% dos votos válidos. Magalhães, 49,62%", diz o texto.

Este ano, pela primeira vez, a disputa não ocorre entre os campos opostos. Os candidatos Mendonça Filho e delegada Patrícia, os mais competitivos da chamada direita, ficaram fora do segundo turno.

Tanto Marília Arraes(PT) quanto João Campos(PSB) disputam a prefeitura por partidos da chamada esquerda. Ambos possuem o DNA (neta / bisneto) do ex-prefeito do Recife, Miguel Arraes, eleito prefeito do Recife em 1959, considerado mito das lutas democráticas do país.   

João Campos(PSB) também é herdeiro político do ex-governador Eduardo Campos, morto num acidente aéreo. 

Assim, o Recife segue com o Executivo comandado pelas forças progressista, sendo estratégica para as eleições estadual e presidencial. 

Da Redação.