terça-feira, 13 de outubro de 2020

Mesmo com risco da pandemia, número de candidatos acima de 80 anos aumenta

Candidata a vice em SP, deputada Luiza Erundina (PSOL) é uma das idosas em campanha neste ano

Apesar do risco do coronavírus, as eleições municipais deste ano vão ter mais candidatos acima de 80 anos. Na lista, há nomes conhecidos, como a candidata à vice-prefeita Luiza Erundina (PSOL-SP), mas a maioria são anônimos ao público em geral. Na comparação com o pleito de 2016, o aumento foi tímido: 49 nomes a mais (alta de 6,5%). 

Neste ano, a maior parte dos "vovôs da política" disputam o cargo de vereador: são 646 pleiteando a vaga. Na sequência, há 79 pessoas concorrendo a vice-prefeito e 71 a prefeito. Na eleição passada, a proporção era parecida. Entretanto, chama a atenção o aumento de 47,9% no número de candidatos a prefeito com mais de 80 anos. De 48 passou para 71. Um dos motivos pode ser a memória dos eleitores sobre esses nomes, o chamado "recall", que ajudaria no resultado eleitoral com a diminuição das campanhas de rua.

A análise dos dados também revela desigualdade de gênero entre os postulantes. Neste ano, o número de mulheres acima de 80 anos disputando uma vaga não chega a 20%. A variação mais gritante ocorre entre os candidatos ao posto de prefeito: são 70 homens nesta faixa etária contra apenas uma mulher. No pleito passado, quatro mulheres nessa faixa disputaram o cargo máximo do Executivo municipal contra 42 homens. 

Além disso, dois estados do Sudeste concentram o maior número de candidatos nessa faixa etária: Minas Gerais (177) e São Paulo (167). O Paraná fica na terceira posição, com 58 pessoas. Apesar disso, os "vovôs da política" representam 0,1% do total de candidatos às eleições. 

Foto:Jorge Araújo/Folhapress

Do Uol.