sábado, 25 de novembro de 2017

Dupla flagrada furtando camisas de loja de shopping no Recife é presa em Olinda


A dupla que foi flagrada por câmeras de segurança de uma loja do Shopping Tacaruna, no Recife, fingindo ser cliente para furtar roupas, se apresentou à Polícia Civil e foi presa.

Confira VÍDEO do flagrante neste link.

Acompanhados de advogados, Sueleide Barbosa da Silva, de 44 anos, e Luciano Bento de Freitas, de 42 anos, se apresentaram à 7ª Delegacia Seccional de Olinda, no bairro de Santa Tereza.

Responsável por transportar o casal, o taxista Fernando Vieira Soares, de 57 anos, também foi preso.

De acordo com o delegado Gilmar Rodrigues, responsável pela investigação do caso, as câmeras de segurança do Shopping Tacaruna registraram a placa do táxi onde o casal estava. Isso possibilitou que a polícia identificasse o casal e que a Justiça determinasse a prisão da dupla e do taxista que a transportou no dia do furto.

Na delegacia, o casal entregou 16 camisas, que teriam sido levadas da loja que gravou a ação, e afirmou que o único furto que cometeram foi o registrado pelas câmeras.

Porém, o delegado afirma ter recebido informações de outros roubos que teriam sido praticados por Sueleide. "Várias lojas estão ligando, recebemos telefonemas de Fortaleza, de Natal, pois a Sueleide rouba fora do estado. Há nove anos ela vem roubando as lojas. Ela é especialista em roubar roupas de lojas de shopping. Ela comete outro crime de estelionato, que é vender produto que não é seu, vender a coisa alheia, ela engana os consumidores. E, como estão os três juntos, é associação criminosa porque se juntam para praticar crimes de furto qualificado e estelionato", diz.

Gilmar Rodrigues não descarta a possibilidade novos inquéritos contra a dupla serem instaurados. "Todos os lojistas que tenham imagens, embora antigas, mas que aparecem o casal devem comunicar à delegacia para fazer o boletim de ocorrência, se não foi feito ainda, e instaurar os novos inquéritos", finaliza o delegado.

Na delegacia, o taxista Fernando Vieira Soares alegou ser inocente. "Eu sou inocente, não sabia de nada. Sou um profissional e não tenho nada a ver com isso. Eu não via ela dentro da loja roubando, mas eu sei que estou errado em ficar esperando", afirmou o motorista.

O advogado Clayton Eustáquio, que defende Luciano, disse que foi a primeira vez que o cliente participou de um roubo. "Ele confessa ter praticado exclusivamente esse crime e está, de fato, muito arrependido pelo crime cometido. É tanto que ele veio na delegacia de forma espontânea e se apresentou. Eles têm uma relação de amizade, são amigos de muito tempo. O único evento que ele cometeu com ela foi esse. Ele alega que foi um momento de fraqueza", relata o defensor.

Segundo Ricardo Cabral, o advogado que defende Sueleide, ela também não costumava roubar roupas para vender. "Arrependida pelo ato que havia cometido, ela resolveu entregar os produtos e se apresentar mesmo sabendo que pesava contra ela um mandado de prisão preventiva. Ela se arrependeu desde o momento em que cometeu aquele ato impensado e resolveu se entregar para pagar pelo ato que realmente cometeu. Ela nega terminantemente a atividade ilícita em qualquer local e qualquer tempo. Reconhece, contra si, uma condenação há mais de 20 anos e, de lá para cá, vinha fazendo sua atividade lícita", alega.

Dupla pratica furtos há nove anos, diz polícia



A Polícia Civil divulgou, na quarta-feira (22), as identidades de Luciano Bento de Freitas e Sueleide Barbosa, que se passaram por clientes para furtar R$ 4,5 mil em camisas de uma loja no Shopping Tacaruna, na área central do Recife, na segunda-feira (21).

Segundo o delegado Gilmar Rodrigues, eles foram identificados a partir da placa do carro do motorista que levou os dois até o centro de compras. Na investigação do caso, em depoimento, o condutor alegou que a dupla furta lojas em shoppings há pelo menos nove anos. 

"Ele [o motorista] nos informou que transportava o casal nos dias de segunda, quarta e sexta só para praticar furtos em shoppings. Ela tem uma loja em casa, no Alto da Bondade [em Olinda], onde vende os produtos e tem receptadores dos furtos", explica o delegado.

Após ser identificado, o motorista foi conduzido à delegacia e chegou a mentir durante o interrogatório, mas, segundo Rodrigues, revelou a intenção do grupo. "Eles roubavam para revender e ele [o condutor do carro] era pago para transportá-los. Ele levava os dois, ficava aguardando e depois recebia R$ 50 pelo trabalho, fora o dinheiro da corrida. Ele vai responder de acordo com a participação", conta.

Depois de identificar o casal responsável pelo furto das camisas na segunda (21), Gilmar Rodrigues explicou que seguiu até a loja em que os produtos eram revendidos, no Alto da Bondade, mas não encontrou a mulher.

Fonte: G1 PE.