segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Deputado Edilson Silva questiona estratégias do governo estado para enfrentar criminalidade



O editorial “Agentes e Segurança”, publicado pelo Jornal do Commercio no último dia 4, motivou o discurso do deputado Edilson Silva (PSOL) na Reunião Plenária desta segunda (9). O veículo de comunicação – assim como o parlamentar – questiona a efetividade de políticas de segurança pública baseadas no aumento do número de policiais nas ruas e em metas de encarceramento. Para ambos, essas estratégias estão ultrapassadas e não trazem retornos positivos para a sociedade.

O documento, lido na tribuna pelo deputado, destaca a recente convocação de 1.823 policiais civis e científicos pelo Governo do Estado e analisa a medida sob a ótica de estudos trazidos pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2016. “Quando foca a preocupação no aumento de agentes públicos, a primeira impressão é sempre de que o reforço do efetivo proporcionará maiores condições de enfrentamento contra os bandidos, quando um dos estudos do Anuário aponta exatamente noutra direção”, diz o editorial.

“As autoridades precisam desenvolver políticas públicas urgentes de conscientização, prevenção e inteligência policial, pois já passou da hora de o Estado perceber que o caminho da guerra e do enfrentamento direto está fadado ao fracasso”, segue o Jornal do Commercio (citando o anuário), elogiado por Edilson pela “coragem, lucidez e capacidade de dialogar com a realidade presente do povo de Pernambuco”. O veículo de comunicação pontua, ainda, que a convocação dos profissionais pode ser benéfica, se for feita sob “uma nova perspectiva”, que implique o conhecimento multidisciplinar dos servidores.

O psolista também avaliou como “ultrapassado” o Projeto de Lei (PL n. 1596/2017), que atualiza o modelo da Gratificação Pacto pela Vida (GPPV). A iniciativa consiste no pagamento de bonificação a policiais civis e militares por produtividade, considerando, por exemplo, a apreensão de armas e drogas e as prisões efetuadas. A proposição, que já recebeu o aval das comissões de Justiça e de Administração Pública, será votada na Comissão de Cidadania.

“É uma política anacrônica. Vamos apresentar nosso relatório sobre esse projeto no colegiado de Cidadania e incorporar o que está dito no Jornal do Commercio”, anunciou. Na análise do parlamentar, falta ao Executivo Estadual “humildade” para convocar a sociedade a participar da formulação de estratégias na área de segurança. “Existe legislação que estabelece a participação da sociedade na gestão de políticas públicas nesse setor, mas o Governo segue uma linha improdutiva e assassina”, concluiu.

Fonte: Alepe.