segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Acusado de matar bispo e esposa em Olinda é condenado a 57 anos de prisão


Foi condenado a 57 anos e quatro meses de reclusão o acusado de matar os pais adotivos, o bispo da Igreja Anglicana Edward Robinson de Barros Cavalcanti, 68 anos, e a esposa, Miriam Cavalcanti, 64, em 2012. O julgamento de Eduardo Olímpio Cotias Cavalcanti, 34 anos, terminou no início da noite desta segunda-feira (30). A informação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).

O julgamento, realizado no Fórum de Olinda, foi conduzido pela juíza Flávia Fabiane Nascimento Figueira. Eduardo foi considerado culpado por duplo homicídio com as qualificadoras de motivo fútil e sem possibilidade de defesa das vítimas. O cumprimento inicial da pena deve ser em regime fechado na Penitenciária Professor Barreto Campelo, em Itamaracá, no Grande Recife. A defesa recorreu da sentença em plenário.

O CRIME - Eduardo Cotias aguardava o julgamento detido no Presídio de Igarassu.

No dia 26 de fevereiro de 2012, um domingo, Eduardo Olímpio Cotias Cavalcanti, na época com 29 anos, foi visto na frente de casa dos pais amolando uma faca, o que chamou a atenção dos vizinhos. Teria bebido e consumido cocaína excessivamente, segundo apontaram exames feitos logo após o crime n o Hospital da Restauração (HR). À noite, acompanhou os pais até a Igreja Anglicana de Bairro Novo, também em Olinda. Ao chegar em casa, trancou todas as portas e iniciou uma discussão com o pai - o primeiro a ser esfaqueado. A mãe tentou intervir e também foi assassinada.

Na época do crime, um amigo da família revelou que Eduardo, além de usuário de drogas, havia sido preso diversas vezes nos Estados Unidos. O inquérito conduzido pela Polícia Civil de Pernambuco aponta que o réu seria integrante de uma facção criminosa nos Estados Unidos e teria um plano de assassinatos em série no Brasil. No dia do duplo assassinato, ele teria reclamado o fato do pai tê-lo "abandonado". O bispo e a esposa teriam decidido enviar o rapaz para a casa de familiares nos Estados Unidos porque, aos 16 anos, ele queria deixar os estudos.


Fotos: reprodução.
Fonte: Folha de PE.