quinta-feira, 13 de julho de 2017

'Quem acha que é o fim do Lula vai quebrar a cara', diz ex-presidente


No primeiro pronunciamento depois de ser condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, 13, que o juiz Sérgio Moro tem que prestar conta para a História por ter feito uma sentença com “forte  contexto político” e sem provas. Lula disse que a condenação tem como objetivo tirá-lo do jogo político e afirmou que vai reivindicar o direito de ser candidato à presidência em 2018.

“Quem acha que é o fim do Lula vai quebrar a cara porque quem tem direito de decretar meu fim é a população brasileira”, disse Lula na sede do PT, em São Paulo, onde falou acompanhado de senadores, deputados e lideranças petistas e de partidos aliados e de movimentos sociais, além do escritor Raduan Nassar.

Segundo o ex-presidente, o juiz usou a teoria do domínio no fato travestida da palavra “contexto” para fundamentar a condenação. “Moro tem que prestar conta para a História, como eu tenho que prestar conta para a História”, disse. A única prova que tem neste processo é a prova da minha inocência, disse.

Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex.

O ex-presidente disse que já previa que seria condenado em outubro de 2016 quando, em artigo publicado, disse que seus acusadores criaram uma narrativa amplificada pela imprensa e não poderiam voltar atrás. “Estão condenados a me condenar e se não me prenderem serão eles desmoralizados”, disse ele ao ler um trecho do artigo. 

Antes do pronunciamento de Lula, a senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente nacional do PT, disse que o ex-presidente recebeu mensagens de apoio de países como Alemanha, Cuba, Uruguai, Equador e uma pessoal do presidente da Bolívia, Evo Morales.

Em frente à sede nacional do PT, manifestantes fizeram um ato de apoio a Lula. A rua foi fechada por um carro de som, onde oradores se revezaram ao microfone. 

Presidência. Também presidente no encontro, o ex-ministro Gilberto de Carvalho afirmou que Lula será o candidato do PT à Presidência em 2018. Segundo ele, o partido não considera a hipótese de Lula não participar da disputa.

Fonte: Conteúdo Estadão.