quarta-feira, 31 de maio de 2017

Chuvas: Ministéro Público de PE vai acompanhar ações para minimizar danos às áreas afetadas


O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) vai acompanhar de perto o processo de retomada das obras das quatro barragens de contenção localizadas na Zona da Mata Sul e no Agreste, região castigada pelas fortes chuvas nos últimos dias, que deixaram 25 cidades em estado de emergência e mais de 50 mil pessoas desalojadas ou desabrigadas. O anúncio foi feito pelo procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros, durante reunião com promotores de Justiça das regiões afetadas, na sede do MPPE em Palmares, na Mata Sul.

“O desastre não foi maior porque a Barragem de Serro Azul, que está praticamente concluída, segurou o volume de água”, disse Francisco Dirceu, ao fim da reunião, da qual participaram o secretário-geral do MPPE, Alexandre Bezerra, o chefe de gabinete do procurador-geral, Paulo Augusto Oliveira, e os promotores de Palmares, Carolina Pontes e João Paulo Pedrosa Barbosa (também respondendo por Belém de Maria), e Catende, Rômulo Siqueira França.

Depois das cheias de 2010, o governo do Estado iniciou a construção de cinco barragens: Gatos (em Lagoa dos Gatos), Igarapeba (São Benedito do Sul), Panelas II (Cupira), Guabiraba (Barra de Guabiraba) e Serro Azul (Palmares). Apenas esta última foi concluída e, apesar de não ter sido inaugurada, evitou danos maiores à população da região. Atualmente ela se encontra com 80 milhões de metros cúbicos de água, o equivalente a 60% de sua capacidade.

O procurador-geral de Justiça anunciou também que vai monitorar, por meio do gabinete de crise instalado na segunda-feira (29), as doações feitas pela sociedade civil às vítimas das chuvas. “O povo brasileiro é muito solidário, mas é comum haver desvios de donativos em situações como essa”, afirmou. A promotora Carolina Pontes vai visitar abrigos e pontos de doação em Palmares. “Estamos atentos e preocupados”, salientou ela.

Após relatar a situação da Promotoria de Belém de Maria, que foi completamente inundada, o promotor João Paulo Pedrosa Barbosa solicitou a suspensão do expediente por uma semana. “Não há condições de funcionamento no Fórum, onde estamos instalados. O expediente foi suspenso pela Justiça”, informou Barbosa. Como 90% dos processos foram inutilizados, o secretário-geral Alexandre Bezerra determinou que uma equipe do MPPE vá à cidade fazer o levantamento exato das perdas.

Francisco Dirceu garantiu total suporte aos promotores da região. O procurador-geral anunciou que voltará à região na próxima semana. “Uma coisa que muito nos preocupa é a situação de famílias que ainda estão em áreas de risco. Temos que dialogar com os moradores para que não ocorram mais tragédias”, afirmou Francisco Dirceu.

Fonte: Assessoria de Imprensa MPPE.