terça-feira, 2 de maio de 2017

Alunos da USP acusam Ciro Gomes de homofobia por chamar João Doria de “viado” na Universidade



Pré-candidato à Presidência da República em 2018, o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) foi acusado pelos alunos da Faculdade de Direito da USP (FDUSP) por usar termos homofóbicos em sua crítica ao prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB).

Ciro esteve na Faculdade, localizada no Largo de São Francisco, no centro da capital, na última quinta-feira, para o lançamento do projeto “Brasil Nação”, cartilha de especialistas de esquerda para ser uma alternativa ao programa de reformas do presidente Michel Temer (PMDB).

Segundo os alunos da USP, Ciro Gomes teria xingado Doria ao ser questionado por um aluno, que dizia que ele seria derrotado pelo tucano nas eleições presidenciais de 2018. De acordo com o relato do estudante, que serviu de base para uma nota coletiva de repúdio, o presidenciável do PDT afirmou que não teme a disputa contra o prefeito: “Eu pego um viado cheio de areia no c…, que nem o João Doria, e encho de porrada“.

A nota dos estudantes critica a fala de Ciro e classifica os termos usados como homofobia. “Um candidato à Presidência e quem se propõe a construir um novo projeto de Brasil, independentemente do seu tom político, não pode ter valores que mais dizem respeito ao Brasil arcaico e colonial do que ao projeto de país como direitos humanos para todos que vem sendo construído pelos brasileiros”, afirma o texto.

Em nota, encaminhada pela assessoria de Ciro Gomes à coluna da jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo, ele negou ter dito a frase, que atribuiu à “invencionice das redes sociais”.

Leia a nota na íntegra

NOTA DE REPÚDIO COLETIVA A CIRO GOMES

A No dia 27/4 a FDUSP viu a organização de um grande evento, com a presença de grandes figuras como Lindbergh Farias, Fernando Haddad e outros representantes do progressismo e de um novo projeto de Brasil contraposto ao momento atual de intolerância e retrocessos: O Projeto Brasil Nação. É lamentável que, nessa nova proposta, valores retrógrados e decrépitos como a homofobia se imiscuam.

O ex-governador e presidenciável Ciro Gomes, após uma pergunta provocativa de um aluno quando ele chegava ao evento, que insinuava que esse ia ser derrotado por João Dória na corrida presidencial, respondeu com as palavras: “Eu pego um viado [sic] cheio de areia no cu, que nem o João Doria, e encho de porrada”.

Covardemente, fora dos microfones e dirigindo-se apenas a um aluno, o suposto progressista dá as caras. Em um ambiente plural como a universidade, comportamentos como esse não devem ser tolerados, e os que mantém comentários preconceituosos, em um dos países menos tolerantes com LGBTs do mundo, incitam violência e preconceito não devem merecer destaque nem o apreço da opinião pública.

Um candidato à presidência e quem se propõe a construir um novo projeto de Brasil, independentemente do seu tom político, não pode ter valores que mais dizem respeito ao Brasil arcaico e colonial do que ao projeto de país com direitos humanos para todos que vem sendo construído pelos brasileiros, como avanços como o reconhecimento da união homoafetiva demonstram.

Dito isso, por meio dessa nota, os estudantes apoiadores dessa nota convidam os alunos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco manifestam seu expresso repúdio às declarações de Ciro Gomes e à homofobia e se posicionam a favor dos direitos dos LGBTs e de uma luta organizada e consciente desses contra os que ainda insistem em tentar calar os milhões de LGBTs brasileiros.
As vozes LGBT não aceitarão as opressões e não serão silenciadas! Por direitos e por dignidade, NÃO NOS CALARÃO!

Fonte: Folha de São Paulo / Veja / Cearánews.