terça-feira, 25 de abril de 2017

Prefeitura de Surubim reconhece problemas e assume compromisso de melhorar merenda oferecida aos alunos da rede Municipal

FOTOS: Prefeitura de Surubim/Divulgação (reprodução)
A Prefeitura de Surubim reconheceu, por meio de nota, os problemas existentes no fornecimento da merenda escolar, bem como assume o compromisso melhorar a alimentação oferecida aos alunos da rede Municipal.

MERENDA FRACA: pais de alunos e professores denunciaram a baixa qualidade do cardápio servido aos alunos / FOTOS: Whatsapp

A qualidade da merenda foi questionada por pais dos estudantes, sobretudo pelo cardápio nada atrativo às crianças: "É muito cuscuz com ovo e arroz com soja", denunciou um pai de aluno.

Em resposta, a Prefeitura alegou que mesmo se esforçando, "para regularizar, na medida do possível, o estoque de alimentos para o início das aulas, em 06 de fevereiro", as "medidas não se revelaram suficientes para normalizar satisfatoriamente o abastecimento" (veja abaixo texto completo da nota).
  


De acordo com o texto, o fornecimento de alimentos para as escolas já foi regularizado e as equipes de merendeiras já estão normalizadas.
A nota também destaca que o "cardápio é elaborado por nutricionistas, de forma balanceada, para atender às necessidades diárias de vitaminas e nutrientes, de acordo com a faixa etária do aluno ", e segue "as diretrizes recomendadas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)".

SEM LICITAÇÃO - a nota também confirma "o valor de R$ 2,63 milhões, citado na matéria", em compras (não licitadas) de alimentos para a merenda, por um 'período de até 180 dias, ou até a conclusão do processo licitatório', como diz o edital, frisando que este montante "é referente ao valor global estimado" dos contratos: 


A 'empresa KF Cavalcanti - EPP' foi contratada 'para o fornecimento de alimentos não perecíveis, hortifrutigranjeiros e pães e bolos', pelo 'valor global de R$ 1.774.591,10 (um milhão, setecentos e setenta e quatro mil, quinhentos e noventa e um reais e dez centavos).
Já a empresa 'Apoena Comercio de Alimentos Ltda, para o fornecimento de alimentos perecíveis de origem animal', pelo 'valor global de R$ 863.090,00 (oitocentos se sessenta e tres mil e noventa reais).

A nota também destaca que "apenas os serviços efetivamente prestados, mediante comprovação documental, são pagos", e que "a empresa prestadora do serviço receberá mensalmente, de acordo com o que foi fornecido", e que pagou, até agora, R$ 130.000,26 (cento e trinta mil reais e vinte e seis centavos) pela merenda servida nas escolas municipais.
ÁGUA - a Prefeitura também assume o compromisso de resolver, com prioridade, outro problema denunciado por professores, na reportagem: as escolas não fornecem água para os alunos beberem. "A situação é insustentável e tem sido uma das preocupações da gestão, sendo prioridade a resolução", garante a nota.


VÍDEO - no recente evento para marcar os 100 dias da gestão, a Prefeitura divulgou e publicou nas mídias sociais, um vídeo institucional, exibindo a merenda oferecida.  Entre as imagens exibidas, despensa com alimentos não perecíveis, merendeiras servindo e alunos comendo "arroz com frango desfiado".

Ainda em nota, "por fim, a Prefeitura de Surubim reafirma o compromisso de trabalhar continuamente para que a estrutura e os serviços relativos à alimentação escolar municipal desenvolvam-se significativamente, atingindo os padrões esperados", completa.

Confira na íntegra, a Nota da Prefeitura de Surubim sobre a merenda escolar, enviada pela Assessoria de Imprensa :



Da Redação.