domingo, 25 de dezembro de 2016

Seca histórica dá "cara de sertão" à zona da mata e ao litoral no Nordeste


Quando Antônio Conselheiro bradava, no final do século 19, na Bahia, que "o sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão", ele não podia imaginar que a severa estiagem no Nordeste no século 21 colocaria a seca e o mar lado a lado.
A seca que atinge a região há cinco anos é considerada a maior em pelo menos 106 anos de medições e trouxe uma nova característica: a falta de chuvas nas regiões de zona de mata e até no litoral nordestino.
Segundo um mapa da vegetação feito por satélite pelo Lapis (Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites), da Universidade Federal de Alagoas, a área atingida pela seca cresceu ao longo dos anos e encostou no mar. Em comparação a anos anteriores, é possível ver como o estrago aumentou ao longo de 2016.

SECA HISTÓRICA - dados da Funceme (Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos) apontam que desde 1910 --quando os números começaram a ser registrados-- nunca houve cinco anos com pouca chuva como a sequência entre 2012 e 2016. A maior seca havia sido registrada entre 1979 e 1983, mas a chuva no quinquênio que se encerra neste ano está apenas 10% menor.
Meteorologista da Funceme, Raul Fritz afirma que "nada escapou" à severa estiagem nesta década. "A seca sai do semiárido e está alcançando praticamente o mar. Isso nunca tinha ocorrido antes. A seca sempre atinge, de certa forma, a região próxima ao litoral, mas nunca no grau que dessa vez aconteceu", conta.
Segundo ele, as características dessa região sempre a fizeram passar mais imune às secas. "O litoral geralmente é menos atingido porque ele tem brisa, mais umidade que vem do mar. Mas, desta vez, todo o litoral cearense foi afetado", revela.

AINDA SEM PREVISÃO PARA 2017 - segundo Fritz, a perspectiva para 2017 ainda é uma incógnita. "Nós não temos ainda elementos científicos para assegurar que vai chover acima da média. Temos que esperar janeiro para fazer um primeiro prognóstico, quando temos um quadro atmosférico e oceanográfico mais claro", explica.
A possibilidade otimista aponta para chuvas no primeiro trimestre. "Estamos no período de pré-estação chuvosa, entre dezembro e janeiro. Normalmente, as chuvas vêm no volume maior em fevereiro e março. Eventualmente, em um ano ou outro temos um janeiro mais chuvoso, como foi 2016 aqui no Ceará, mas que não foi suficiente para encher os reservatórios que sofreram esses anos todos", completa Fritz.
O professor Humberto Barbosa, porém, diz que as mudanças climáticas estabelecidas apontam para dificuldades futuras para a região. "Projeções de impactos decorrentes da mudança do clima indicam que a seca se tornará mais frequente e intensa no semiárido brasileiro, agravando os problemas já existentes e ampliando a vulnerabilidade da população", define.
Fonte: UOL.