quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Após crítica de FHC, Temer cede a pressões e viajará ao Norte e Nordeste



O presidente Michel Temer decidiu ceder à pressão de assessores e aliados e adotar uma agenda de viagens para o Norte e Nordeste, considerados redutos eleitorais petistas.

Um dos principais motivos para a mudança foi o incômodo de Temer com um comentário feito pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em conversas reservadas.

De acordo com relatos de aliados, o peemedebista não gostou da crítica feita pelo tucano de que ele não conhece o país e resolveu mudar a postura.

Em quase sete meses à frente do Palácio do Planalto, Temer não havia até o momento pisado nas duas regiões do país e evitava participar de inaugurações de obras públicas com receio de enfrentar vaias e protestos.

A avaliação, contudo, é que ele precisa se "desencastelar" e ter um diálogo mais direto com a sociedade caso queira reverter os seus baixos índices de popularidade.

A tese é que, assim como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez na crise do mensalão, Temer deve adotar agenda de viagens para impor pauta positiva diante das crises política e econômica que enfrenta.

Ainda assim, pelo menos por enquanto, a intenção é que as agendas nas duas regiões sejam mais restritas e fora de grandes concentrações urbanas, onde há maior chance de manifestações contrárias à gestão federal.

Nesta sexta-feira (9), por exemplo, o presidente visitará o Pernambuco e o Ceará. Surubim é o primeiro município do Nordeste a receber a visita do presidente Michel Temer. Em Pernambuco, irá priorizar cidades pequenas e, em Fortaleza, fará uma agenda fechada, dentro de um centro de treinamento, onde pousará de helicóptero. 

Na semana que vem, há uma programação para que ele faça viagem a Belém e ao Piauí, onde pela primeira vez participará de solenidade de entrega de unidades do Minha Casa, Minha Vida, programa criado pelo governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Fonte: Folha de SP.