terça-feira, 11 de outubro de 2016

"Só escapei porque me fingi de morta", diz jovem após ser espancada por ex

Jovem espancada por ex e mais duas mulheres em Capivari (Foto: Arquivo pessoal)

Uma ajudante geral de 25 anos foi espancada pelo ex-namorado, um motorista, de 26, e outras duas mulheres em canavial de Capivari (SP). A vítima afirmou, nesta segunda-feira (10), que só conseguiu escapar porque se fingiu de morta. A agressão ocorreu após a jovem ser atraída para um encontro, proposto pelo rapaz, para reatar o relacionamento. A mulher teve mechas do cabelo arrancadas, corte de 26 pontos na cabeça, dois dentes quebrados e ferimentos pelo corpo.

A Polícia Civil de Capivari registrou o caso como lesão corporal e investiga os autores. Uma das duas mulheres envolvidas foi identificada e é ex-companheira do agressor, segundo a vítima. A jovem agredida e o motorista namoraram por três meses. “Eu engravidei dele, mas perdi a criança”, relatou a ajudante geral.



A violência ocorreu na Rodovia Antonio Kanela Forti (SP-306), na área rural da cidade na sexta-feira (7).
Dentes foram quebrados porque agressor não queria que ela sorrisse, contou vítima         (Foto: Arquivo Pessoal)
“Meu ex me procurou o dia todo antes do encontro e pedia para voltar o namoro. Nos telefonemas, queria que eu fosse até ele. Então, marcamos em uma pracinha no Centro de Capivari”, contou.
De acordo com a vítima, o agressor chegou ao local marcado de carro. Quando a jovem entrou no veículo, o rapaz acelerou o automóvel e a ajudante o questionou sobre o motivo da pressa. "Ele me disse que tinha que andar rápido porque o carro dele era muito conhecido”, disse.
Mulher apanhou com pedaços de pau (Foto: Arquivo Pessoal)
“Senti medo e perguntei para onde íamos. De repente, paramos em um canavial e as duas mulheres apareceram. Acho que até estavam escondidas no porta-malas porque ele parou e abriu o compartimento”, falou.
Com pedaços de pau, o trio bateu nas costas da mulher. “Depois, ele me segurou para que elas me espancassem. Jogaram álcool em mim e tentaram me atropelar. Eu estava muito ferida e me fingi de morta, por isso desistiram”, lembrou.

A ajudante geral lembrou com horror os momentos vividos durante a agressão. “Ele dizia que não queria mais me ver sorrir -por isso quebraram meus dentes-  e que não aguentaria me ver com outro homem”, disse.

Uma pessoa que passava pela estrada rural a viu e pediu ajuda. Os guardas municipais foram até o ponto, a socorreram e a encaminharam para unidade de saúde do município.
Fonte: G-1 Piracicaba e Região.