quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Facebook adverte usuários brasileiros: não é necessário tomar partido por Cunha ou Dilma


O Facebook mais uma vez se dirigiu aos usuários do Brasil e mandou um recado: “o usuário não necessariamente precisa tomar partido por Cunha ou Dilma. Poupem nossos servidores de textões”, declarou Zuckerberg durante sua licença paternidade. A alta direção do Facebook insiste que não há um Fla x Flu e que não é necessário manifestar sua opinião contra ou a favor de um dos lados. “Apenas fiquem de boa”, apelou Mark.
Não é a primeira vez que o Facebook se dirige aos usuários alertando sobre a não obrigatoriedade de ter opinião sobre tudo, veja:

Marina acorda todos os dias e abre seu Facebook. Invariavelmente fica nervosa. São tantos assuntos, questões, notícias, fla x flus. Qual sua opinião sobre a hashtag da hora? Que posição ela vai tomar sobre a fala polêmica de um famoso? Que nova tragédia mundial ela vai apontar como a que merece ser levada em conta? Como ser original em suas colocações? Como chamar atenção para seu discurso? Será que ela deve ser romântica-agressiva ou falsa-pacífica?
Isso tudo tem cansado Marina ao extremo. Foi pensando em pessoas como ela, no estresse e nos possíveis infartos que tudo isso pode causar que a Organização Mundial de Saúde (OMS) requisitou ao Facebook um comunicado: que fique esclarecido que não e, de forma alguma, obrigatório que os usuários da rede social tenham opinião e posição sobre 100% dos temas. O Facebook atendeu prontamente e soltou hoje pela manhã o comunicado – com ênfase para o Brasil.
Agora Marina e outros bilhões de usuários poderão viver mais tranquilos. (Se conseguirem, já que Arnoldo, vizinho de andar de Marina, já postou que acha um absurdo o Facebook querer controlar a vida dele e lançou a hashtag #FacebookNãoMandaEmMimENãoPagaAsMinhasContas).
Fonte: UOL